STEAM marca presença no Festival de Invenção e Criatividade

Dando um gostinho das aulas de STEAM para estudantes e educadores de diversos lugares do Brasil e do mundo, as professoras Rosiani Telles, de STEAM e Química, e Paula Ariane, de STEAM e Artes, tomaram conta de um dos expositores da 2.a edição do Festival de Invenção e Criatividade (FIC), que ocorreu na Universidade de São Paulo.

fic

O evento tem como ideia estimular a criação de projetos colaborativos, inovadores e mão na massa na educação brasileira. Para isso, as professoras do Band apresentaram algumas aulas de STEAM sobre luz e cores. Assim como acontece no Colégio, a experiência desafiou os visitantes a criar diversos tons de coloração usando lâmpadas.

A professora Paula conta que desde crianças até educadores participaram da proposta do Band. “Todos estavam muito interessados e curiosos. O nosso stand foi bem diferente do que havia no festival. Com toda a inovação presente no Colégio, não tinha como não participar desse evento”, disse ela.

“É muito bom poder divulgar o trabalho de toda a equipe. Durante todo o dia compartilhamos nossa experiência”, comentou Rosiani.

Compartilhe:

Aprendendo a inovar: conversa sobre economia criativa!

Uma conversa sobre economia criativa com o Coordenador do Núcleo de Empreendedorismo e Inovação do Centro Universitário Belas Artes, Dario Vedana, abriu as aulas de STEAM (Science, Technology, Engineering, Arts and Maths) de 2018 da 3.a série do Ensino Médio. Organizado pela professora de Artes, Mariane Cavalheiro, o evento lotou o Studio 268.

economia3

A conversa veio para dar um gostinho aos alunos do que é a economia criativa. Isso porque, durante o ano letivo, os estudantes trabalharão num projeto onde a Ciência deve ser aplicada na comunidade.

economia2

Dessa forma, Vedana contou aos alunos sobre como é possível, com uma única ideia, motivar uma ação transformadora. Além disso, ele também mostrou algumas das ferramentas para chegar lá. Entre elas, é preciso pensar de forma inovadora e sempre trabalhar em grupo. “Para mim o mais importante é que os alunos perceberam que eles são os agentes da ação, não adianta esperar que os outros tenham uma ideia. Tem que partir de você”, comentou a professora Mariane.

A conversa também foi uma boa oportunidade para mostrar aos alunos que a economia criativa, assim como as aulas de STEAM, envolve diversas áreas do conhecimento.

“Antes eu sabia sobre empreendedorismo, mas com a conversa vi que é possível fazer muito mais do que criar algo novo, posso ajudar muitas pessoas. Ter isso no STEAM é algo que trará um benefício a longo prazo”, concluiu o aluno da 3.a série do Ensino Médio, Getúlio Watanabe.

Compartilhe:

STEAM: do Band para o Brasil

Após muito aprendizado com a implantação do STEAM (Science, Technology, Engineering, Art&Design, Maths), chegou a hora do Band compartilhar com outras escolas. Assim foi realizado o STEAM Experience: 42 professores e gestores de 25 escolas de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul vieram conhecer e aprender sobre essa nova forma de educar.

IMG_2922

Os participantes tiveram uma aula mão na massa, estudaram as teorias que envolvem o STEAM, conheceram projetos dos alunos da 1.a e 2.a série do Ensino Médio e os conceitos aprendidos com cada trabalho. Além disso, foram esclarecidas uma série de dúvidas sobre a logística do STEAM.

IMG_2908

A Coordenadora do STEAM no Band, Cristiana Mattos, conta que a ideia surgiu quando percebeu que havia uma grande demanda por parte de outras escolas em conhecer o laboratório multidisciplinar e a forma como o Band o adequou ao currículo.

IMG_2917

Apesar dos participantes terem conhecido como a aula é realizada no Band, Cristiana deixa claro que o intuito é que cada escola adeque o que foi aprendido com a própria realidade. “Queremos que o STEAM seja transmitido para outras escolas com a mesma qualidade que é feito aqui no Band, porém, há várias metodologias para fazê-lo. Cada escola deve saber a melhor forma de aplicar o que foi aprendido”, explicou.

Compartilhe:

Band apresenta projetos no Congresso da NSTA

O Band compareceu mais uma vez ao Congresso da NSTA (National Science Teachers Association), desta vez em Los Angeles (EUA), para apresentar três projetos. Desde o ano de 2000 o Colégio participa do relevante evento. Este ano estiveram presentes os coordenadores Cristiana Assumpção e José Ricardo Almeida, além dos professores Franco Ramunno e Tiago Eugênio.

Professores Franco Ramunno, Cristiana Assumpção, Ricardo Almeida e Tiago Eugênio

Professores Franco Ramunno, Cristiana Assumpção, Ricardo Almeida e Tiago Eugênio

Um dos destaques levados ao evento foi o STEAM (Science Technology, Engineering, Arts and Maths). Na apresentação, os professores mostraram na prática como funciona o projeto e como os alunos podem construir conhecimento de forma prática e autoral.

nsta4

De acordo com a coordenadora do STEAM, Cristiana Assumpção, os espectadores ficaram surpresos com o fato de que o STEAM é desenvolvido dentro da grade curricular de uma importante escola no Brasil. “Fomos pelo caminho mais difícil, mas podemos mudar a educação no país”, disse Cristiana em função da complexidade para se implantar projetos inovadores em currículos tradicionais.

Marina Schor apresentando o projeto Beinprosone

aluna de 2015, Marina Schor, apresentando o projeto Beinprosone

Os outros projetos apresentados foram o Beinprosone e uma oficina de fabricação de um foguete. O primeiro, idealizado pela aluna Marina Schor, formada em 2015 e atual estudante de  biologia animal aplicada na universidade da Columbia britânica, é uma jornada criativa para busca de soluções para problemas cotidianos. Já o foguete foi trazido para o Band pelo aluno que atualmente cursa o ITA, Dimitri Assumpção Scripnic, para que os estudantes o ajudassem numa competição. Durante o Congresso, os público pôde participar de uma oficina básica do funcionamento do foguete, com a utilização de técnicas simples e materiais baratos.

Compartilhe: